• 44 98813-1364 / 44 3123-6000
  • contato@iefap.com.br
  •  

Blog do IEFAP


Marketing digital na medicina: como utilizá-lo a seu favor

Em um cenário em que a internet ocupa um espaço cada vez maior na vida das pessoas, negligenciar a divulgação do consultório no ambiente digital pode significar perder uma fatia significativa do mercado. Mas afinal, como usar o marketing digital na medicina?

No entanto, é bastante comum que médicos e profissionais da saúde em geral encontrem dificuldades quando o assunto é marketing digital na medicina. Afinal, como dar os primeiros passos nesse universo? É o que você vai descobrir agora! Acompanhe a leitura!

4 dicas de marketing digital na medicina que você precisa conhecer

1. Invista em um site oficial

De acordo com a pesquisa “Jornada Digital do Paciente”, 94% das pessoas buscam informações sobre saúde na internet. Por isso, um dos primeiros passos que você precisa dar se quiser investir em marketing digital na medicina é criar o seu site oficial.

Ele é uma espécie de cartão de visita do seu consultório. Sempre que um potencial paciente buscar informações sobre você no ambiente digital, deve encontrar uma página atualizada, com design atraente, fácil navegação e informações de contato bem visíveis.

Além disso, o site é o espaço perfeito para a hospedagem de um blog, que você pode utilizar para produzir conteúdo relacionado à sua especialidade.

E por que isso é importante? Além de servir como material para alimentar suas redes sociais, — nós já vamos falar sobre a importância delas para a sua estratégia de marketing digital na medicina — esse conteúdo ajuda a melhorar o posicionamento da sua página em sites de busca como o Google.

Isso quer dizer que, quando um potencial paciente fizer uma busca por um assunto relacionado à sua especialidade é o seu site que ele irá encontrar. Imagine o seguinte cenário: seu potencial cliente está buscando informações sobre “fertilização in vitro”.

Se você for especialista em reprodução humana e tiver artigos sobre o assunto, a chance de que esse potencial cliente acesse o seu site é muito maior. E não apenas isso, por fornecer informações úteis sobre a dúvida dele, a chance de que você ele reconheça sua clínica com autoridade e marque uma consulta é muito maior.

2. Marque presença nas redes sociais

Você sabia que, de acordo com o próprio Facebook, 102 milhões de brasileiros compartilham seus momentos na redes social mensalmente?

Além de utilizar as redes sociais para se conectarem com amigos e parentes, os usuários também usam essas plataformas para tomarem decisões de compra e consumo. 

Médicos que desejam atrair novos pacientes e estreitar relacionamento com sua clientela precisam estar presente nelas. Principalmente naquelas que mais impactam seu público-alvo, geralmente Facebook e Instagram.

Use-as para divulgar o conteúdo produzido em seu blog oficial e também para promover a interatividade. Assim você vai conhecer melhor seus seguidores e, por consequência, aqueles que se interessam pelo seu consultório.

São boas ideias apostar em lives no Facebook ou na função Stories do Instagram para falar sobre temas de utilidade pública que você domina. Outra ideia bacana é criar enquetes para compreender quais assuntos despertam maior interesse e fazer postagens esclarecendo dúvidas frequentes dos seguidores.

3. Coloque seu consultório em sites de busca médica

Outra excelente estratégia de marketing digital para médicos é incluir as informações do seu consultório em sites ou aplicativos especializados em reunir informações de profissionais de saúde, como o Doctoralia e o Boa Consulta.

Essas páginas ajudam você a chegar até o seu público-alvo. Elas também abrem espaço para que pacientes deixem elogios e recomendações. Dessa maneira, você divulga seu trabalho e reitera toda a credibilidade conquistada no ambiente digital.

4. Aposte no relacionamento constante

Seja via site oficial, blog, redes sociais ou sites de busca, é fundamental ter em mente que quando o assunto é marketing digital na medicina, relacionamento deve ser sua prioridade.

Em palavras simples, não abra mão de interagir com aqueles que, de alguma maneira, demonstraram interesse pelo trabalho que você desenvolve. Isso engloba tanto os potenciais pacientes quanto os clientes de longa data.

Procure reservar um espaço na sua agenda  — ou peça auxílio a um colaborador da sua equipe — para responder todas as dúvidas, comentários, elogios e sugestões que surgirem nos seus canais oficiais.

O mesmo vale para eventuais críticas. Elas devem ser encaradas com elegância e serenidade e respondidas com a brevidade e objetividade que o assunto merece. Também deve-se buscar levar o contato para uma esfera mais privada, como o e-mail ou o inbox.

Profissionais que nunca respondem às dúvidas ou jamais interagem nos comentários passam uma impressão de impessoalidade e que você não dá importância para a sua comunidade. Em longo prazo essa atitude acaba mais afastando do que atraindo seguidores.

Gostou de entender como você pode iniciar sua estratégia de marketing digital na medicina e porque é importante não deixar esse assunto em segundo plano?

Se você quiser saber mais sobre o tema, leia agora mesmo a matéria 5 dicas incríveis sobre marketing pessoal para médicos! Aproveite também para conhecer os cursos de Pós-Graduação para médicos ofertados pelo IEFAP. Acesse www.iefapcursos.com.br.


Auriculoterapia, uma prática milenar da medicina chinesa

A Medicina Tradicional Chinesa é rica em benefícios para saúde e bem-estar. E tem muito a nos ensinar. Talvez estes sejam os principais motivos de algumas de suas técnicas estarem sendo utilizadas também no ocidente. A auriculoterapia é um desses casos. Conheça um pouco mais sobre esta técnica acompanhando nosso artigo.

Um pouco de história

A auriculoterapia tem sua origem na Medicina Tradicional Chinesa e começou a ser desenvolvida a partir de achados arqueológicos da província de Hu Nan.

Foi quando encontraram documentos contendo informações sobre a ligação entre as diversas partes do corpo com os vasos e canais existentes nas orelhas.

Mas, esta não foi a primeira informação existente sobre o método, que já foi citado pelas dinastias de Tang, Ming e por Hipócrates.

O que é auriculoterapia?

Nosso corpo é um sistema complexo e totalmente interligado. Sendo assim, o funcionamento de um órgão afeta os demais. A orelha possui pontos que, quando são ativados, podem enviar comandos ao cérebro, auxiliando em problemas de saúde, dores e proporcionando relaxamento.

Por ser pouco invasivo e pelos resultados que oferece, a auriculoterapia tem conquistado a confiança dos médicos e pacientes submetidos ao tratamento. Ele consiste em estimular pontos específicos nas orelhas, trazendo alívio e até auxiliando no diagnóstico de doenças através de alterações que podem ser observadas nestes pontos.

A parte externa e cartilaginosa da orelha constitui um microssistema capaz de refletir alterações fisiopatológicas do nosso organismo, ou seja, qualquer alteração em alguma parte do nosso corpo reflete em locais diferentes na orelha e podem identificar enfermidades específicas.

Para que serve?

A auriculoterapia oferece benefícios físicos e psicológicos e pode ser utilizada para tratar centenas de sintomas do corpo através de uma pressão dos vasos e canais localizados no pavilhão auricular.

Considerada como técnica terapêutica, o método é aconselhado como alternativa complementar ao tratamento clínico. Ele auxilia a tratar de sintomas do diagnóstico realizado pela medicina tradicional, além de outras manifestações que veremos mais adiante.

Advinda da Medicina Tradicional Chinesa, como já dissemos, a auriculoterapia trata-se de uma técnica bastante antiga e que vem sendo aplicada pela medicina ocidental como terapia. Da mesma forma como ocorre também com a acupuntura.

Isto porque vem trazendo alívio para as dores e uma série grande de benefícios, inclusive para disfunções psicológicas.

Através da estimulação de determinados pontos nas orelhas, são os estímulos enviados ao sistema nervoso que provocam o alívio de vários distúrbios. A técnica também pode tratar:

  • tabagismo;
  • problemas de pele;
  • problemas vasculares;
  • pressão alta;
  • insônia;
  • depressão e outros.

Benefícios da auriculoterapia:

Além do benefício de não ser um método invasivo, a auriculoterapia pode ser uma forma de substituição ao uso de medicamentos em alguns sintomas. Produz conforto e evita possíveis efeitos colaterais de alguns remédios. A técnica oferece, ainda, bem-estar psicológico.

Importante ressaltar que a auriculoterapia pode ser utilizada simultaneamente com outras terapias. Seus efeitos são rápidos e os resultados comprovados pela medicina chinesa ao longo de milênios.

Como é aplicada?

A técnica é aplicada com pressão em pontos estratégicos da orelha, utilizando agulhas de acupuntura, esferas magnéticas ou laser. O mais comum é usar pequenas sementes de mostarda.

No caso da utilização de material esférico ou sementes, estas são presas à pele da orelha com um pequeno esparadrapo e colocadas estrategicamente sobre o ponto que corresponde ao local ou sintoma a ser tratado, mantendo a pressão sobre estes pontos.

Você pode estar se perguntando se o paciente pode sentir alguma reação no momento em que as esferas são fixadas. A resposta é simples: o máximo que ele vai sentir é um calorzinho provocado pela passagem de uma corrente sanguínea ou simplesmente pela energia que passa pelo corpo e vai até ao pavilhão auricular.

Depois de colocadas as esferas, o paciente deve manipulá-las durante alguns períodos no decorrer do dia para provocar a estimulação, tomando cuidado para não retirar do local e não danificar ou molhar o esparadrapo.

Quanto ao tempo de aplicação e número de sessões a serem realizadas, ambos variam de paciente para paciente e também dependem do que está sendo tratado.

Indicações e contraindicações

A técnica é indicada para pacientes que não querem ou não podem se submeter ao tratamento de acupuntura por conta das agulha. A auriculoterapia pode ser usada, ainda, como continuidade ao tratamento realizado com acupuntura. Pode ser indicada para os casos de:

  • dores provocadas por câncer;
  • tratamento de problemas como depressão;
  • tratamento de doenças que afetam o sistema nervoso central;
  • tratamento de vícios;
  • necessidade de potencializar os efeitos de alguns medicamentos, aumentando a absorção e eliminação através da aceleração do metabolismo.

 

Nos casos em que a orelha estiver machucada, a aplicação da técnica não é indicada até a total recuperação da pele. Alguns procedimentos de higiene também devem ser realizados pelo paciente para evitar a proliferação de bactérias através do calor ou umidade do material utilizado.

Para grávidas, pacientes com risco de vida, com doenças inflamatórias ou nos casos de reação alérgica ao material utilizado, o tratamento não é indicado.

Importante ressaltar que estamos falando de tratamentos. Portanto, deve ser indicado por um profissional qualificado, resguardando a orientação de não o utilizar com substituto para tratamentos convencionais em doenças graves.

Médicos: como se especializar em auriculoterapia?

A auriculoterapia é uma técnica que requer muito mais do que habilidades manuais para sua utilização e aplicação. É necessária uma especialização específica na área de acupuntura e são considerados como profissionais aqueles que possuem a graduação tradicional em acupuntura e médicos especializados em acupuntura.

Existe a possibilidade de especializar-se através de cursos técnicos e treinamentos. Porém, o ideal é que o interessado já tenha formação em alguma área da saúde, o que beneficia o aprendizado e a aplicação da auriculoterapia.

O importante é procurar por uma escola bem conceituada neste tipo de treinamento para garantir o aprendizado não apenas das técnicas utilizadas na aplicação, mas também dos conceitos que estão intrínsecos e nos quais ela se baseia. É muito importante ter em mente que a Medicina Tradicional Chinesa é integrativa, portanto faz uso de mais conceitos do que a medicina tradicional, tais como Chi, por exemplo.

Ficou interessado no assunto? Então, que tal se especializar no assunto cursando uma Pós-Graduação em Acupuntura no IEFAP. Acesse www.iefapcursos.com.br e saiba mais? Os cursos de Pós-Graduação em Acupuntura ofertados pelo IEFAP, são altamente conceituados, onde teoria e prática caminham juntos e você pode saber mais sobre auriculoterapia.


Procuradoria da República do Pará arquiva procedimento preparatório contra o IEFAP

Sobre o procedimento preparatório

Após a apresentação da denúncia contra o IEFAP, sobre a oferta irregular de cursos de Pós-Graduação em parceria com Instituições de Ensino Superior (devidamente credenciadas pelo MEC para oferta desses cursos), o Ministério Público Federal do Pará realizou abertura de procedimento preparatório para apuração dos fatos e recomendou que o IEFAP não ofertasse cursos durante o período de investigação.

Tão logo notificado, o IEFAP e as Instituições as quais possui parceria apresentaram as justificativas e documentos comprobatórios sobre a legalidade dos convênios.

O papel do IEFAP nos referidos convênios é única e exclusivamente de ser o agente responsável pelos procedimentos logísticos e operacionais dos cursos de Pós-Graduação, oferecendo o local e realizando a divulgação, captação e a gestão administrativa.

Por outro lado, as Instituições de Ensino Superior, no caso específico as FIP e a UNINASSAU, são responsáveis pela gestão acadêmica dos cursos, garantindo a qualidade do ensino ofertado na Pós-Graduação.

Esclarecidos os papéis desempenhados por cada uma das entidades envolvidas, e com base nas  resoluções do CNE e do MEC, o MPF encaminhou o arquivamento do referido procedimento nos seguintes termos:

“Sendo assim, em razão da ausência de elementos para propositura de ação civil pública ou para a adoção de outras medidas, impõe-se o arquivamento do procedimento apuratório quanto a parceria firmada entre o IEFAP e FIP.

“Ante o exposto, dada a ausência de irregularidades a serem apuradas entre a parceria entre FIP e UNINASSAU, não havendo fundamento para a propositura de ação civil ou para a adoção de qualquer das medidas previstas no art. 4°, I. III e IV, da Resolução n.° 87/2006, do Conselho Superior do Ministério Público Federal, determino o ARQUIVAMENTO do presente procedimento preparatório, nos termos do art. 9° da Lei n° 7347/85 e do art. 17, caput da Resolução n.° 87/2006, do CSMPF.”

“Quanto à parceria entre o Centro Universitário Maurício de Nassau e a Instituição de Ensino, Formação e Aperfeiçoamento em Pós Graduação, autue-se novo procedimento preparatório, a fim de que sejam tomadas as medidas cabíveis.

Cientifique-se os denunciantes.

Após, encaminhe-se o feito para a 1ª Câmara de Coordenação e Revisão, para a análise da presente promoção de arquivamento.”

Belém, 23 de novembro de 2016.

MELINA TOSTES HABER

Procuradora da República

Procuradora Regional dos Direitos do Cidadão

MPF

O Papel do IEFAP

O IEFAP é uma instituição a qual preza por trabalhar em empresas sérias e comprometidas com a qualidade do ensino, como forma de melhorar a vida das pessoas por intermédio da educação.

Repudiamos de todas as formas a denúncia apresentada, a qual foi realizada por uma entidade sem representatividade e também que não apresentou provas sobre os fatos apresentados, e de forma leviana envolveu várias empresas do segmento da educação.

Em todas as denúncias apresentadas por esta entidade o IEFAP apresentou sua defesa e o MPF entendeu não haver irregularidades, arquivando as referidas denúncias.

Continuaremos trabalhando para melhorar a educação do Brasil e formar profissionais cada vez mais capacitados. Essa é a nossa missão!

Para ciência da publicação divulgada pelo Ministério Público Federal, veja o documento na íntegra: http://www.mpf.mp.br/pa/sala-de-imprensa/documentos/2018/despacho-de-arquivamento-do-procedimento-preparatorio-prpa-no-1-23-000-001886-2015-43/view


Óleo de coco: Uma alternativa para a manutenção da boa forma?

Classificado como gordura saturada, o óleo de coco possui a predominância de ácidos graxos de cadeia média (AGCM), que correspondem a 70-80% de sua composição. Os AGCM são rapidamente absorvidos no intestino e após, transportados até o Fígado pela veia porta, onde são rapidamente oxidados, gerando energia (ATP). Outra característica é que os AGCM não participam da produção do colesterol e não são estocados em depósitos de gorduras (tecido adiposo), ao contrário dos os ácidos graxos de cadeia longa (AGCL), persentes em muitos outros tipos de óleos como o de soja.

Uma pesquisa composta por 32 pacientes hipercolesterolêmicos (com colesterol aumentado), sendo 50% mulheres com média de idade de 48 anos, recebeu suplementação diária de 30 mL de óleo de coco extravirgem durante três meses. Foram avaliados: Peso, IMC(Índice de Massa Corporal), perímetro abdominal, relação abdômen-quadril e recordatório do consumo alimentar das últimas 24 horas; também foram avaliados o lipidograma completo, glicemia de jejum, apolipoproteínas (apo) A-I e B, proteína C reativa ultrassensível (PCR-us), lipoproteína (a) [Lp(a)] e fibrinogênio antes e depois da suplementação.

Os resultados mostraram que após a suplementação com óleo de coco, houve redução significativa do peso, índice de massa corporal, relação abdômen-quadril, perímetro abdominal, triglicérides, lipoproteína de muito baixa densidade (VLDL-c) e PCR-us, bem como aumento significativo nas concentrações de apo A-I. Houve ainda a tendência de redução do colesterol total, lipoproteína de baixa densidade (LDL-c) e Lp(a), assim como um ligeiro aumento de lipoproteína de alta densidade (HDL-c) e fibrinogênio. Dentro dos limites do estudo, os autores puderam sugerir que a suplementação dietética com óleo de coco extravirgem é capaz de exercer benefícios no perfil lipídico e cardiovascular de indivíduos dislipidêmicos.

Texto: Prof. Dr. Mário Neto, Farmacêutico e Bioquímico pela FCFRP-USP; Mestre e Doutor em Farmacologia pela FMRP-USP - Editor-Chefe Master News.

http://www.masternews.com.br/oleo+de+coco++uma+alternativa+para+manutencao+da+boa+forma+/1449

REFERÊNCIAS

  1. Mahan K, Escott-Stump S.Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 9 ed. São Paulo: Roca, 1998.49-50.
  2. DebMandal M, Mandal S. Coconut (Cocos nuciferaL.: Arecaceae): in health promotion and disease prevention. Asian PacificJournal of Tropical Medicine. 2011; 241-247.
  3. Silva R, Soares H, Fortes R. Efeitos dasuplementação dietética com óleo de coco no perfil lipídico e cardiovascular deindivíduos dislipidêmicos / Effects of dietary supplementation with coconut oilon lipid and cardiovascular profile of dyslipidemic subjects. Brasilia Med;48(1), jun. 11. tab.