• 44 98813-1364 / 44 3123-6000
  • contato@iefap.com.br
  •  

Blog do IEFAP


Auriculoterapia, uma prática milenar da medicina chinesa

A Medicina Tradicional Chinesa é rica em benefícios para saúde e bem-estar. E tem muito a nos ensinar. Talvez estes sejam os principais motivos de algumas de suas técnicas estarem sendo utilizadas também no ocidente. A auriculoterapia é um desses casos. Conheça um pouco mais sobre esta técnica acompanhando nosso artigo.

Um pouco de história

A auriculoterapia tem sua origem na Medicina Tradicional Chinesa e começou a ser desenvolvida a partir de achados arqueológicos da província de Hu Nan.

Foi quando encontraram documentos contendo informações sobre a ligação entre as diversas partes do corpo com os vasos e canais existentes nas orelhas.

Mas, esta não foi a primeira informação existente sobre o método, que já foi citado pelas dinastias de Tang, Ming e por Hipócrates.

O que é auriculoterapia?

Nosso corpo é um sistema complexo e totalmente interligado. Sendo assim, o funcionamento de um órgão afeta os demais. A orelha possui pontos que, quando são ativados, podem enviar comandos ao cérebro, auxiliando em problemas de saúde, dores e proporcionando relaxamento.

Por ser pouco invasivo e pelos resultados que oferece, a auriculoterapia tem conquistado a confiança dos médicos e pacientes submetidos ao tratamento. Ele consiste em estimular pontos específicos nas orelhas, trazendo alívio e até auxiliando no diagnóstico de doenças através de alterações que podem ser observadas nestes pontos.

A parte externa e cartilaginosa da orelha constitui um microssistema capaz de refletir alterações fisiopatológicas do nosso organismo, ou seja, qualquer alteração em alguma parte do nosso corpo reflete em locais diferentes na orelha e podem identificar enfermidades específicas.

Para que serve?

A auriculoterapia oferece benefícios físicos e psicológicos e pode ser utilizada para tratar centenas de sintomas do corpo através de uma pressão dos vasos e canais localizados no pavilhão auricular.

Considerada como técnica terapêutica, o método é aconselhado como alternativa complementar ao tratamento clínico. Ele auxilia a tratar de sintomas do diagnóstico realizado pela medicina tradicional, além de outras manifestações que veremos mais adiante.

Advinda da Medicina Tradicional Chinesa, como já dissemos, a auriculoterapia trata-se de uma técnica bastante antiga e que vem sendo aplicada pela medicina ocidental como terapia. Da mesma forma como ocorre também com a acupuntura.

Isto porque vem trazendo alívio para as dores e uma série grande de benefícios, inclusive para disfunções psicológicas.

Através da estimulação de determinados pontos nas orelhas, são os estímulos enviados ao sistema nervoso que provocam o alívio de vários distúrbios. A técnica também pode tratar:

  • tabagismo;
  • problemas de pele;
  • problemas vasculares;
  • pressão alta;
  • insônia;
  • depressão e outros.

Benefícios da auriculoterapia:

Além do benefício de não ser um método invasivo, a auriculoterapia pode ser uma forma de substituição ao uso de medicamentos em alguns sintomas. Produz conforto e evita possíveis efeitos colaterais de alguns remédios. A técnica oferece, ainda, bem-estar psicológico.

Importante ressaltar que a auriculoterapia pode ser utilizada simultaneamente com outras terapias. Seus efeitos são rápidos e os resultados comprovados pela medicina chinesa ao longo de milênios.

Como é aplicada?

A técnica é aplicada com pressão em pontos estratégicos da orelha, utilizando agulhas de acupuntura, esferas magnéticas ou laser. O mais comum é usar pequenas sementes de mostarda.

No caso da utilização de material esférico ou sementes, estas são presas à pele da orelha com um pequeno esparadrapo e colocadas estrategicamente sobre o ponto que corresponde ao local ou sintoma a ser tratado, mantendo a pressão sobre estes pontos.

Você pode estar se perguntando se o paciente pode sentir alguma reação no momento em que as esferas são fixadas. A resposta é simples: o máximo que ele vai sentir é um calorzinho provocado pela passagem de uma corrente sanguínea ou simplesmente pela energia que passa pelo corpo e vai até ao pavilhão auricular.

Depois de colocadas as esferas, o paciente deve manipulá-las durante alguns períodos no decorrer do dia para provocar a estimulação, tomando cuidado para não retirar do local e não danificar ou molhar o esparadrapo.

Quanto ao tempo de aplicação e número de sessões a serem realizadas, ambos variam de paciente para paciente e também dependem do que está sendo tratado.

Indicações e contraindicações

A técnica é indicada para pacientes que não querem ou não podem se submeter ao tratamento de acupuntura por conta das agulha. A auriculoterapia pode ser usada, ainda, como continuidade ao tratamento realizado com acupuntura. Pode ser indicada para os casos de:

  • dores provocadas por câncer;
  • tratamento de problemas como depressão;
  • tratamento de doenças que afetam o sistema nervoso central;
  • tratamento de vícios;
  • necessidade de potencializar os efeitos de alguns medicamentos, aumentando a absorção e eliminação através da aceleração do metabolismo.

 

Nos casos em que a orelha estiver machucada, a aplicação da técnica não é indicada até a total recuperação da pele. Alguns procedimentos de higiene também devem ser realizados pelo paciente para evitar a proliferação de bactérias através do calor ou umidade do material utilizado.

Para grávidas, pacientes com risco de vida, com doenças inflamatórias ou nos casos de reação alérgica ao material utilizado, o tratamento não é indicado.

Importante ressaltar que estamos falando de tratamentos. Portanto, deve ser indicado por um profissional qualificado, resguardando a orientação de não o utilizar com substituto para tratamentos convencionais em doenças graves.

Médicos: como se especializar em auriculoterapia?

A auriculoterapia é uma técnica que requer muito mais do que habilidades manuais para sua utilização e aplicação. É necessária uma especialização específica na área de acupuntura e são considerados como profissionais aqueles que possuem a graduação tradicional em acupuntura e médicos especializados em acupuntura.

Existe a possibilidade de especializar-se através de cursos técnicos e treinamentos. Porém, o ideal é que o interessado já tenha formação em alguma área da saúde, o que beneficia o aprendizado e a aplicação da auriculoterapia.

O importante é procurar por uma escola bem conceituada neste tipo de treinamento para garantir o aprendizado não apenas das técnicas utilizadas na aplicação, mas também dos conceitos que estão intrínsecos e nos quais ela se baseia. É muito importante ter em mente que a Medicina Tradicional Chinesa é integrativa, portanto faz uso de mais conceitos do que a medicina tradicional, tais como Chi, por exemplo.

Ficou interessado no assunto? Então, que tal se especializar no assunto cursando uma Pós-Graduação em Acupuntura no IEFAP. Acesse www.iefapcursos.com.br e saiba mais? Os cursos de Pós-Graduação em Acupuntura ofertados pelo IEFAP, são altamente conceituados, onde teoria e prática caminham juntos e você pode saber mais sobre auriculoterapia.


Procuradoria da República do Pará arquiva procedimento preparatório contra o IEFAP

Sobre o procedimento preparatório

Após a apresentação da denúncia contra o IEFAP, sobre a oferta irregular de cursos de Pós-Graduação em parceria com Instituições de Ensino Superior (devidamente credenciadas pelo MEC para oferta desses cursos), o Ministério Público Federal do Pará realizou abertura de procedimento preparatório para apuração dos fatos e recomendou que o IEFAP não ofertasse cursos durante o período de investigação.

Tão logo notificado, o IEFAP e as Instituições as quais possui parceria apresentaram as justificativas e documentos comprobatórios sobre a legalidade dos convênios.

O papel do IEFAP nos referidos convênios é única e exclusivamente de ser o agente responsável pelos procedimentos logísticos e operacionais dos cursos de Pós-Graduação, oferecendo o local e realizando a divulgação, captação e a gestão administrativa.

Por outro lado, as Instituições de Ensino Superior, no caso específico as FIP e a UNINASSAU, são responsáveis pela gestão acadêmica dos cursos, garantindo a qualidade do ensino ofertado na Pós-Graduação.

Esclarecidos os papéis desempenhados por cada uma das entidades envolvidas, e com base nas  resoluções do CNE e do MEC, o MPF encaminhou o arquivamento do referido procedimento nos seguintes termos:

“Sendo assim, em razão da ausência de elementos para propositura de ação civil pública ou para a adoção de outras medidas, impõe-se o arquivamento do procedimento apuratório quanto a parceria firmada entre o IEFAP e FIP.

“Ante o exposto, dada a ausência de irregularidades a serem apuradas entre a parceria entre FIP e UNINASSAU, não havendo fundamento para a propositura de ação civil ou para a adoção de qualquer das medidas previstas no art. 4°, I. III e IV, da Resolução n.° 87/2006, do Conselho Superior do Ministério Público Federal, determino o ARQUIVAMENTO do presente procedimento preparatório, nos termos do art. 9° da Lei n° 7347/85 e do art. 17, caput da Resolução n.° 87/2006, do CSMPF.”

“Quanto à parceria entre o Centro Universitário Maurício de Nassau e a Instituição de Ensino, Formação e Aperfeiçoamento em Pós Graduação, autue-se novo procedimento preparatório, a fim de que sejam tomadas as medidas cabíveis.

Cientifique-se os denunciantes.

Após, encaminhe-se o feito para a 1ª Câmara de Coordenação e Revisão, para a análise da presente promoção de arquivamento.”

Belém, 23 de novembro de 2016.

MELINA TOSTES HABER

Procuradora da República

Procuradora Regional dos Direitos do Cidadão

MPF

O Papel do IEFAP

O IEFAP é uma instituição a qual preza por trabalhar em empresas sérias e comprometidas com a qualidade do ensino, como forma de melhorar a vida das pessoas por intermédio da educação.

Repudiamos de todas as formas a denúncia apresentada, a qual foi realizada por uma entidade sem representatividade e também que não apresentou provas sobre os fatos apresentados, e de forma leviana envolveu várias empresas do segmento da educação.

Em todas as denúncias apresentadas por esta entidade o IEFAP apresentou sua defesa e o MPF entendeu não haver irregularidades, arquivando as referidas denúncias.

Continuaremos trabalhando para melhorar a educação do Brasil e formar profissionais cada vez mais capacitados. Essa é a nossa missão!

Para ciência da publicação divulgada pelo Ministério Público Federal, veja o documento na íntegra: http://www.mpf.mp.br/pa/sala-de-imprensa/documentos/2018/despacho-de-arquivamento-do-procedimento-preparatorio-prpa-no-1-23-000-001886-2015-43/view